NGcast 7 – Prince of Persia

Capa NGCAST 7

Jordan Mechner é um entusiasta de programação e determinado a criar jogos para Apple II aos 17 anos. Com isso, lendas como Karateka e posteriormente o grande Prince of Persia surgiram e Diogo, Rogerio e Junix falam da importância deste game em nossas vidas.

EQUIPE:

LINKS:

CONTATO:

Download do episódio 7 – Prince of Persia


  • Marcos Machado

    Segue um comparativo entre diversas plataformas. É 1:22h de vídeo, jogando metade da primeira fase (até pegar a espada). Dá pra ver que são experiências completamente diferentes de um mesmo jogo, dependendo do equipamento…

    • Valeu Marcos! Esse video é muito bom. Uma pena que não cheguei a jogar nem metade disso aí! Junix teve mais sorte que eu.

  • João Cláudio Fidelis

    Olá amigos do Nostalgia Games. Bacana esse episódio sobre Prince of Persia, um clássico. Gostaria de fazer alguns comentários para completar algumas informações sobre os assuntos do podcast. Comecei por esse, e assistirei os outros em ordem cronológica. 🙂

    1- A Broderbund realmente só distribuiu o Prince of Persia no Apple II, deixando o trabalho todo para o Jordan Mechner, mas as versões de outros micros Amiga, Atari ST, PC e Mac foram portadas por programadores deles. Versões de consoles e micros japoneses foram feitos por outras empresas, que a Broderbund vendeu os direitos. Isso também aconteceu com Karateka e outros jogos dela.

    2- Faltou falar dos jogos da Borderbound: Wings of Fury, Choptlifter e mais recentemente The Myst. O nome do software editor de imagens dela é o Print Shop.

    3- Stunts foi feito pela Distinctive Software Inc (a criadora da série Test Driver) e comercializado pela Broderbund, para PC mas por algum motivo que desconheço, ela deixou de comercializar o jogo, que foi distribuído novamente para PC, e portado para Amiga, PC9801 e FM Towns pela Mindscape com o nome de 4D Sports Driving.

    4- Prince of Persia 2 foi lançado além do PC e do SNES, também para Mac, PC9821 e FM Towns.

    5- A trilogia Prince of Persia – Sands of Time, Warrior Within e The Two Thrones saiu para Xbox, PS2, PC, Game Cube, pela Ubisoft entre 2003 a 2005. Muito tempo depois saiu a coletânea com os 3 jogos para PS3 e Xbox360. Em 2008 teve um reboot chamado Prince of Persia, para PC, PS3 e X360 com gráficos estilo cel shading. E em 2010 saiu o Prince of Persia – The Forgotten Sands, para PC, PS3, X360, Wii, DS e PSP que é considerado o quarto episódio da trilogia iniciada em 2003.

    OBS: Karateka teve um remake em 2012, mas não joguem, é horrível. 😛

    Parabéns pelo cast! Um abraço!

    • Valeu João! Realmente a gente deixou de falar muita coisa que acaba passando. Obrigado por acrescentar detalhes a mais nesse seu post. Myst e Stunts foram games que me marcaram bastante e quem sabe a gente ainda fale mais sobre a Brotherbund. Valeu!

  • JCCyC

    A propósito… alô galera, o Ricardo Pinheiro chamou-me a atenção para a existência de vossas senhorias e estou a baixaire os sete condenados^H^H^H^H^H^H^H^H^H^H episódios. Ouví-los-ei em tempo hábil.

    • Opa!!! Muito obrigado por nos dar a honra de passar por seus ouvidos!!!
      Abs!

      • JCCyC

        Comecei pelo de SNK, porque acho que sou a última pessoa viva no Universo que tem memória de ter jogado Ozma Wars em fliperama! Os outros estou seguindo pela ordem, e estou gostando do que ouço.

    • Alfredo Jr.

      Obrigado pela moral dada a este humilde podcast. =)
      Esperamos que curta os episódios e divulgue aos amigos.
      Abraço.

  • Jorge Lima

    Po gente, foram uns quinze minutos falando só do um, e nem comentaram os gráficos incríveis e a tensão do jogo? Poxa, tinha todo um desenvolvimento interessante da história, cada fase te colocava num mundo diferente.
    E as subtramas do supernes? O ratinho q vinha te salvar lá pelas últimas fases? E o gêmeo duplo do príncipe, que saiu dos espelhos?E o mesmo gêmeo tenta te matar na última parte e fazia parte do puzzle mais difícil de todos os tempos???? (lemba @Roger Pousada “somente o homem de fé verdadeira passará?”).
    E Junix, Prince of Persia tinha toda a essência dos jogos antigos exatamente por essa tensão de cair morreu (ou você esperava que cair de 4 andares o cara ia sair mancando?). Tanto é q toda vez que o personagem morria, além do puta agudo que te fazia levantar do sofá, tinha o brilho que te cegava e fazia aquilo muito mais horrível do que ter q começar de novo rs. E era bem difícil, explorar cada fase pra achar a saída, recuperar energia e não morrer pros soldados/caveiras e armadilhas.
    Alguém lembra da fase no inferno??Até a roupa dele muda de cor por causa da iluminação!
    Só joguei o 2 uma vez, mas assim, uma m… muito coloridinho. Mas ai, canelada hein Roger! o Jaffar toma o lugar do príncipe transformando-o em mendigo e expulsando do palácio, 11 dias depois do casamento. hehe
    Abraço galera.

    • Claro que lembro disso tudo aí Jorge! Mas a gente realmente não contou detalhes de jogabilidade do game, e sim de como toda a coisa andou até chegarmos no jogo.
      Detalhe: isso que você ta falando aí até mesmo da fase inferno é da versão SNES que tinha uma pegada diferente da versão original de pc. Ambos foram grandes jogos e fizeram muita diferença de nossas vidas!
      Eu sinceramente nem lembrava da fase do espelho em que “somente pessoas de coração puro passavam e do ratinho maldito que era amiguindo da princesa. Alias nem lembro se ele aparecia nas versões prévias.

      • Jorge Lima

        Eu joguei o do pc, era bom mas nao chegava perto da versao do Snes, muito mais emocionante. No Pc só tinha umas 12 fases, no SNES tinha umas 19 acho

        • 20 fases!!! Pra mim com certeza foi a melhor versão que joguei.

        • JCCyC

          Na época eu joguei só a versão PC (CGA e depois EGA) e realmente não tinha inferno. Tinha ratinho e gêmeo duplo.

    • Alfredo Jr.

      Eu concordo com você sobre a diferença entre os jogos, mas como falei no cast, eu acho que jogar SNES mais divertido.
      E outra coisa, quem falou o lance de cair e morrer foi o Estranho e não eu. =)
      Grande abraço e obrigado por seus comentários.