The DARK FORCES PC – E DOOM fez história mesmo….




Num cenário de Guerra nas Estrelas, muita luta neste jogo”tipo” DOOM. Tudo para cumprir diversas missões!!!

A ação não pára um minuto. São missões difíceis e uma história empolgante, com efeitos incríveis e cenários maravilhosos.
Depois de muita expectativa, Dark Forces foi lançado,
apenas em CD-ROM, simultaneamente no Brasil e nos EUA, no mês de março de 1995.

Anunciado como a arma da produtora Lucas Arts para enfrentar O sucesso de jogos no estilo de Doom, o jogo tem uma estrutura  semelhante a desses games, mas o resultado final surpreende!  Desta vez não é só, como em Doom, sair atirando como um louco, matando monstros e recolhendo chaves (não que isso não seja divertido, é claro). Em Dark Forces
há um enredo mais claro, cada missão tem objetivos concretos, e a ação ganha uma pitada de suspense.

Aqui podemos ver todo o clima de Guerra das Estrelas, que consagrou a Lucas  Arts, Entre os cenários elaborados, com excelentes efeitos de cores e texturas, as missões são
verdadeiros desafios e, para completar, os efeitos sonoros dão um incrível tom de realismo: ouve-se o som da água nos rios e e até os guardas inimigos
conversando, alertando sobre sua aproximação.

A história baseia-se também na trilogia Guerra nas Estrelas, como um agente “freelancer”, o Comandante Katarn, o jogador, está a serviço das forças rebeldes, que lutaram contra o Império que pretende dominar a galáxia.

Mas Katarn trabalhou também há muito tempo atrás para o Império e conhece bem as estratégias de combate do inimigo. Mesmo assim não vai ser fácil cumprir a primeira missão: Roubar os planos secretos de Darth Vader, com um “cronograma” de ataques do Império e entregá-los aos Rebeldes…

Katarn não trabalha sozinho. Há uma equipe de apoio dos rebeldes que o auxilia em cada fase, apresentando dicas, mapas detalhados do local de ataque. Cada uma das 14 missões de Dark Forces tem objetivos específicos, que devem ser cumpridos na ordem certa. Geralmente é preciso acionar uma máquina, roubar documentos ou encontrar “vilões” importantes. Depois disso, e de acabar com os inimigos, é preciso ainda retornar à nave para “fugir” da fase.

A instalação do jogo era “bem simples”!

O próprio jogo propôe um disco de boot, vocÊ aceitava a sugestão, colocava um disquete no drive e o computador faria o resto. Para rodar era só colocar o
cd-rom no drive e começar a jogar….

Durante as fases, existem várias “cut scenes” (como eram chamados na época, não faço idéia se é assim até hoje!), pequenas animações que dão um certo charme ao jogo. Geralmente mostram lances da missão terminada, apresentando a rotina dos personagens da nave e as bases inimigas se preparando para o combate. Todas as animações já eram 3d.

Para desenvolver a tecnologia de modelagem das fases, inimigos e objetos de Dark Forces, a LucasArts reuniu uma equipe especial de programadores que criaram o “Jedi 3-D Technology”, um software desenvolvido para fazer o jogo propriamente dito. Com o novo software, os objetos podem ser criados realmente em três dimensões, proporcionando uma sensação de profundidade inovadora para a época. Há uma nave, por exemplo, que parece ter saído diretamente do Tie Fighter, toda em 3D, e colocada no Dark Forces apenas para enfeitar um hangar.

A mistura de texturas em 2D com objetos bem realistas foi muito bem feita. E os efeitos de luzes também impressionam pelo realismo. Um feixe de luz que entra por uma janela em um salão, por exemplo, realmente forma uma sombra que se projeta no chão. Entre outros recursos que o Jedi 3-D Tecnology dispõe, está o de simulação de diferentes tipos de atmosfera, que variam desde neblinas coloridas até a distorção de imagens, devido à distância de onde estão sendo observadas.

O  mais divertido em Dark Forces são as extensões de comandos para o personagem. Pela primeira vez, num game em primeira pessoa, podia-se olhar para baixo, para cima, saltar ou agachar. Quando se caminha sobre uma torre altíssima, a sensação de olhar para baixo é deliciosa e dava até aquele aquele friozinho na barriga! Além da emoção, é importante olhar para
cima e para baixo para acertar alvo mais altos ou abaixo do seu campo de visão normal.
Uma outra inovação em Dark Forces era o PDA (Personal Data Administrator), que facilita o acompanhamento das ações a serem realizadas, e pode ser consultado a qualquer hora. Pode-se conferir a porcentagem de passagens secretas descobertas em uma determinada fase, conferir o número de objetivos já conquistados, ou o mapa de uma fase. E quem estava acostumado com Doom estranhava muito o mapa de Dark Forces: ele é transparente e pode ser usado enquanto se joga. Chega de se perder em labirintos imensos!!!

Depois de vários atrasos no lançamento na época, devido a estrutura complexa de programação do jogo, os designers e programadores da Lucas Arts, que se aventuraram pela primeira vez em um game de ação em primeira pessoa, acertaram em cheio no alvo. O confronto entre o Império e os Rebeldes está ainda mais emocionante em Dark Forces.