Art of Fighting Banner

No jogo, a família Sakazaki passa por uma crise ao descobrirem que a irmã mais nova de Ryo Sakazaki, Yuri, fora raptada. Ryo conta com a ajuda de seu melhor amigo Robert Garcia, que também é seu rival dentro do tatame. Os dois passam a percorrer toda a cidade em busca de pistas, encontrando sujeitos pouco convencionais dentro de lugares estratégicos como o dojô de Todoh, a periferia (“Downtown”), o “Bar do Mack”, e até uma base militar.

Os encontros de Ryo e Robert com os homens que guardam esses lugares não são muito diplomáticos: a conversa logo vira provocação, e a briga se inicia. A missão do jogador portanto é descobrir o cativeiro onde Yuri está mantida refém, usando tudo o que sabe nas artes marciais.

 

 

No Brasil, Art of Fighting ficou muito mais conhecido na versão arcade, que era similar à versão caseira lançada para o console Neo Geo. Isso ocorreu devido ao elevado custo do console e do cartucho no país, pois o produto era importado, além de ser considerado luxuoso e muito sofisticado.

Outro modo de conhecer Art of Fighting era nas locadoras, que na época disponibilizavam o aluguel do console por hora dentro de suas dependências.

Art Of Fighting foi muito apreciado e jogado até, pelo menos, final de 1993.

No fliperama, em 1992, Art Of Fighting concorria diretamente com Street Fighter II, que fazia muito sucesso e era mais popular (versões Champion Edition e Hyper Fighting), e também com os jogos World Heroes (menos sofisticado), o foto- realístico Pit Fighter da Atari e a boa série Fatal Fury.

 

Mais tarde, já em 1993, Art Of Fighting ainda mantinha- se firme ao lado do novo Fatal Fury 2, do belíssimo Samurai Shodown (jogo) (lançado pela mesma SNK), do inovador Savage Reign, e do violento mas não menos popular Mortal Kombat. Em 1994, Art Of Fighting começa a ser deixado rapidamente de lado, pois chegam às salas de fliperama Samurai Shodown II, The King of Fighters ’94 e Art of Fighting 2.

Além disso, a concorrente Sega investe e lança jogos – não apenas jogos de luta – com apelo gráfico tridimensional, como Virtua Fighter, Daytona USA e Virtua Cop, que atraem multidões. Em 1995, com os sucessos da nova tecnologia em 3-D na forma de jogos como Tekken (Namco), Art Of Fighting foi rapidamente esquecido, ficando na memória de uma geração.
Assim, a série Art Of Fighting terminou definitivamente em 1996 com o lançamento de Art Of Fighting 3 – The Path Of The Warrior (conhecido no Japão com o título de 龍虎の拳外伝 = Ryuuko No Ken Gaiden). Para não decepcionar os fãs, alguns dos personagens foram revividos em outros mais bem sucedidos jogos de luta, como na série The King Of Fighters, também produzida pela SNK.

Aqui podemos ver uma luta sensacional entre Ryo contra Geeese Howard! Como assim?

Bom….pra lutar contra ele era necessário chegar ao fim de Art 2 sem perder rounds! Dificil até mesmo para os mais viciados!

AOF2 é um dos jogos mais dificeis do universo de se terminar!

 

Agora….esse comercial é meio tosquinho não?

 

 

Fonte: Wikipedia

karate champ

karate champ é o clássico dos clássicos! Foi um dos primórdios dos jogos de luta 1 contra 1!

Era um jogo estremamente dificil e técnico. Era necessário saber como funcionava a estrutura dos golpes e era necessário também muita precisão para executá-los no tempo certo!Karate Champ Machine

Com os controles bem originais que consistiam em duas alavancas, uma para movimentar-se, e outra para os golpes, demorava um pouco para decorar os movimentos necessários.

Seu ranking de pontuações permitia uma luta dura ou uma luta rápida: Em dois golpes precisos de 1000 pontos você resolvia o duelo de vez!

Esse jogo até rendeu uma cena clássica no Filme “O Grande Dragão Branco” ou “Bloodsport” para os íntimos.

Confere aí!

Too old for videos games? No!!!!!

Fighting Masters Capa Genesis

Desde garoto era fã de jogos de luta, e claro Street Fighter! Mas antes de esse grande jogo chegar, eram poucas as opções que realmente faziam diferença nos primórdios do jogos de luta. Quem era dono de Mega Drive sabe muito bem o que é isso! Mas uma empresa com um dos nomes mais bizarros, a TRECO!!!… desenvolveu um dos  jogos de luta mais legais para seu tempo. FIGHTING MASTERS!

O game é definido em um universo pré-apocalíptico: o sol vermelho está prestes a se transformar em supernova dentro de horas e representantes de cada raça alienígena tem que lutar entre si, a fim de ganhar a confiança ede um grupo conhecido como os Primaries que irão conceder-lhes às suas gerações futuras outra galáxia para se viver.

lutadoresExistem apenas dois seres humanos no jogo, mas eles não vêm do planeta Terra. No entanto, o jogo em si conta uma história diferente de um senhor demônio que lidera uma campanha subterrânea contra uma estrela galáxia 12 para assumir o controle do mesmo. Ele vence todos os governantes das estrelas e torna-los seus escravos com exceção de um. Tomando o controle deste herói solitário, o jogador luta através dos governantes escravizados e na batalha final com o Lorde Demônio, Lord Valgasu!!!

Resumindo: Como qualquer outro jogo de luta a história se resume a escolher alguém e espancar todo mundo! 1 de cada vez até chegar no chefe!

O que eu acha mais legal era os exageros nos golpes! Era muito bom arremessar o oponente alguns metros de altura e ver ele perdendo muuuuita energia!

Fora isso, era um jogo com trilha sonora muito boa, que soube aproveitar bem as limitações do MegaDrive/Genesis como ninguém!

Jogabilidade fácil, com certeza foi um jogo de luta que marcou os amantes do console da Sega!